I like Fabia! (article in pt)

Eu gosto de descontos. Promoções e descontos. E não sou o único.

Segundo a eMarketer.com, a principal razão para se “gostar” de uma marca, especialmente nas redes sociais, é a de receber descontos e promoções em troca. A terceira envolve amostras e cupões. Entre estas duas fica a nossa devoção (afinal de contas, antes de pedir seja o que for, dita a tradição que é preciso dar um pouco de “graxa”).

Em troca, parecemos sempre dispostos a partilhar as novidades. E este comportamento já interessa às marcas, e muito.

The more you like the less you pay
Imagem recortada de: http://www.fabia-ilike.be/

Foi o que fez a Skoda na Bélgica. A campanha foi baseada no modelo de leilão comunitário.

É apresentado um automóvel, um Skoda Fabia, que pode ser comprado a qualquer altura ao preço que estiver cotado. Para isso temos de pedir ajuda aos nossos amigos no Facebook: quanto mais “Likes”, menos se paga.

Um excelente exemplo de como se pode ganhar reputação com uma proposta irrecusável: com desconto.

Facebook vem a Portugal

[tweetmeme source=”catroga”]

Verge Lisboa 2010
Verge Lisboa 2010

A Ogilvy está a organizar, dois anos depois, a segunda edição do seminário Verge sobre Marketing e Negócios na Era Digital, novamente em parceria com a Escola de Negócios AESE.

Em 2010 a temática vai centrar-se em “CRM in the Social Age” e vai contar com oradores de luxo: Diego Oliva (Facebook Europa do Sul), Tony Fish – autor dos livros “My Digital Footprint” e “Mobile Web 2.0” e Chairman da AMF Ventures, Patou Nuytemans (Chief Digital Officer Ogilvy EMEA) e Rory Sutherland (Vice-Chairman, OgilvyGroup UK – Quem não conhece a apresentação que o Rory fez no TED?).

O processo de inscrições está aberto. Basta seguir o link para o formulário no site da AESE, preencher os dados e escolher o seminário que desejam atender.

O Facebook vai explodir

[tweetmeme source=”catroga”]

De forma concertada, mais uma vez, a Optimus, a Vodafone e a TMN anunciam a possibilidade de aceder às principais redes sociais via telemóvel. Os serviços são semelhantes e facilitam a participação nas redes através de aplicações desenhadas para o efeito (Quem tem iPhone deve achar esta última frase divertida).

Num País saturado de telemóveis (quase 2 por habitante) espera-se um crescimento exponencial no acesso móvel às redes sociais mais conhecidas, nomeadamente o Facebook e o Twitter.

Acesso móvel que é sinónimo de conteúdos (localização, textos, fotos e vídeos) em tempo real. Pesquisável e até disputado pelos principais motores de busca actuais.

Se adicionarmos o facto que, hoje em dia, não há website, campanha ou blogue lançado que não tenha conexão directa à página do Facebook ou perfil do Twitter da marca/empresa/indivíduo, podemos adivinhar que tipo de audiência nos espera no futuro.

Falando em números e tomando o Facebook como exemplo, já se começa a notar um crescimento acentuado de novos registos. Portugal foi considerado, na semana que passou, o terceiro País com maior taxa de adesão à rede com 9,81%:

Facebook Marketing Statistics, Demographics, Reports, and News – CheckFacebook
Fonte: http://www.checkfacebook.com/

Somos agora cerca de 900 mil utilizadores reais da rede social Facebook:

Utilizadores Facebook em Portugal
Fonte: http://www.checkfacebook.com/

Com estes níveis de crescimento fica claro que integrar as redes sociais enquanto sérios canais de comunicação deixa de ser um capricho do marketeer. É uma obrigação.

People of Walmart

Um estranho e polémico fenómeno está a dar que falar nos Estados Unidos. Chama-se “People of Walmart” e tem por base um conceito simples: retratar os clientes (criaturas-Wal) que se vestem de forma ridícula ou questionável na conhecida cadeia de retalho Norte Americana.

Supostamente criado por um grupo de jovens cujo intuito principal era a diversão, está a ganhar contornos de campanha de marketing bem sucedida com retornos visíveis.

O site tem cerca de 37 mil seguidores. O twitter já conta com mais de 20 mil seguidores e a página de fãs no Facebook já superou a barreira dos 37 mil.

Quanto à polémica em si, conseguiram dar voz às críticas de forma inovadora e aberta. Existem espaços próprios no site para os chamados Hate e Love Mail.

Confesso ter ficado fã das fotos publicadas.

E eu a pensar que o fato-de-treino-brilhante-às-compras não tinha adversário à altura…

PS: O que tem o Walmart a dizer sobre isto?

Facebook no Twitter?

Se não podes comprá-los junta-te a eles“, parece ser o mote do Facebook.

Facebook > Twitter

Depois de várias ofertas recusadas de compra do Twitter e depois da aquisição bem sucedida do FriendFeed, eis que o FB permite agora a ligação das suas páginas a uma qualquer conta do passarinho azul.

As páginas no Facebook existem para permitir que as marcas e empresas explorem a sua presença online.

A ideia de juntar fãs e followers tem tudo para ganhar. Para experimentar aqui.

Facebook e Twitter na TV

A Verizon disponibiliza um serviço inovador na oferta residencial de TV (FiOS TV): o Widget Bazaar.

Um pequeno passo para aproximar a internet da TV sem perder a tão resistente experiência de sofá que os amantes do pequeno(?) ecrã tanto gostam: Cerveja, comando e zapping sem mexer uma palha.

Entre outros é possível colocar um widget Facebook em paralelo com o sinal de TV, fazer login na conta FB e actualizar o estado com o programa que estão a ver no momento.

E quem diz o Facebook, diz o twitter com todas as funcionalidades de uma aplicação idêntica às utilizadas no computador.

A Verizon transporta assim para a sua oferta de TV residencial o modelo lucrativo das App Stores iniciado com a Apple no iPhone (Que já comemorou o download “1 Bilião” de aplicações).

Quem diz uma loja de aplicações também pode pensar num sistema de publicidade localizada na TV. Quiçá estilo Adwords, controlado via web com segmentações nunca vistas – o sonho de qualquer profissional de Marketing e o pesadelo de qualquer agência de meios que preze o lóbi actual.

E os players locais?

Será que MEO e ZON podem deixar as disputas redundantes de lado e pensar mais nos seus clientes, avançando com as soluções inovadoras que o mercado precisa?

Facebook Lite

[tweetmeme source=”catroga”]

Não, não é por estarmos no Verão, altura em que tudo emagrece.

Após a confirmada compra do Friendfeed, surge a notícia que alguns privilegiados utilizadores estarão a ser convidados a testar uma versão (Beta) mais leve do Facebook – o Facebook Lite.

Aparentemente é uma versão despida da plataforma actual. Um pouco a lembrar o Twitter

- Fonte: mashable.com
- Fonte: "mashable.com"

Se recebeu o convite, teste e partilhe a sua experiência.