I like Fabia! (article in pt)

Eu gosto de descontos. Promoções e descontos. E não sou o único.

Segundo a eMarketer.com, a principal razão para se “gostar” de uma marca, especialmente nas redes sociais, é a de receber descontos e promoções em troca. A terceira envolve amostras e cupões. Entre estas duas fica a nossa devoção (afinal de contas, antes de pedir seja o que for, dita a tradição que é preciso dar um pouco de “graxa”).

Em troca, parecemos sempre dispostos a partilhar as novidades. E este comportamento já interessa às marcas, e muito.

The more you like the less you pay
Imagem recortada de: http://www.fabia-ilike.be/

Foi o que fez a Skoda na Bélgica. A campanha foi baseada no modelo de leilão comunitário.

É apresentado um automóvel, um Skoda Fabia, que pode ser comprado a qualquer altura ao preço que estiver cotado. Para isso temos de pedir ajuda aos nossos amigos no Facebook: quanto mais “Likes”, menos se paga.

Um excelente exemplo de como se pode ganhar reputação com uma proposta irrecusável: com desconto.

Facebook vem a Portugal

[tweetmeme source=”catroga”]

Verge Lisboa 2010
Verge Lisboa 2010

A Ogilvy está a organizar, dois anos depois, a segunda edição do seminário Verge sobre Marketing e Negócios na Era Digital, novamente em parceria com a Escola de Negócios AESE.

Em 2010 a temática vai centrar-se em “CRM in the Social Age” e vai contar com oradores de luxo: Diego Oliva (Facebook Europa do Sul), Tony Fish – autor dos livros “My Digital Footprint” e “Mobile Web 2.0” e Chairman da AMF Ventures, Patou Nuytemans (Chief Digital Officer Ogilvy EMEA) e Rory Sutherland (Vice-Chairman, OgilvyGroup UK – Quem não conhece a apresentação que o Rory fez no TED?).

O processo de inscrições está aberto. Basta seguir o link para o formulário no site da AESE, preencher os dados e escolher o seminário que desejam atender.

O Facebook vai explodir

[tweetmeme source=”catroga”]

De forma concertada, mais uma vez, a Optimus, a Vodafone e a TMN anunciam a possibilidade de aceder às principais redes sociais via telemóvel. Os serviços são semelhantes e facilitam a participação nas redes através de aplicações desenhadas para o efeito (Quem tem iPhone deve achar esta última frase divertida).

Num País saturado de telemóveis (quase 2 por habitante) espera-se um crescimento exponencial no acesso móvel às redes sociais mais conhecidas, nomeadamente o Facebook e o Twitter.

Acesso móvel que é sinónimo de conteúdos (localização, textos, fotos e vídeos) em tempo real. Pesquisável e até disputado pelos principais motores de busca actuais.

Se adicionarmos o facto que, hoje em dia, não há website, campanha ou blogue lançado que não tenha conexão directa à página do Facebook ou perfil do Twitter da marca/empresa/indivíduo, podemos adivinhar que tipo de audiência nos espera no futuro.

Falando em números e tomando o Facebook como exemplo, já se começa a notar um crescimento acentuado de novos registos. Portugal foi considerado, na semana que passou, o terceiro País com maior taxa de adesão à rede com 9,81%:

Facebook Marketing Statistics, Demographics, Reports, and News – CheckFacebook
Fonte: http://www.checkfacebook.com/

Somos agora cerca de 900 mil utilizadores reais da rede social Facebook:

Utilizadores Facebook em Portugal
Fonte: http://www.checkfacebook.com/

Com estes níveis de crescimento fica claro que integrar as redes sociais enquanto sérios canais de comunicação deixa de ser um capricho do marketeer. É uma obrigação.

People of Walmart

Um estranho e polémico fenómeno está a dar que falar nos Estados Unidos. Chama-se “People of Walmart” e tem por base um conceito simples: retratar os clientes (criaturas-Wal) que se vestem de forma ridícula ou questionável na conhecida cadeia de retalho Norte Americana.

Supostamente criado por um grupo de jovens cujo intuito principal era a diversão, está a ganhar contornos de campanha de marketing bem sucedida com retornos visíveis.

O site tem cerca de 37 mil seguidores. O twitter já conta com mais de 20 mil seguidores e a página de fãs no Facebook já superou a barreira dos 37 mil.

Quanto à polémica em si, conseguiram dar voz às críticas de forma inovadora e aberta. Existem espaços próprios no site para os chamados Hate e Love Mail.

Confesso ter ficado fã das fotos publicadas.

E eu a pensar que o fato-de-treino-brilhante-às-compras não tinha adversário à altura…

PS: O que tem o Walmart a dizer sobre isto?