Sinceramente

Ser sincero pode tornar-nos dejectos sociais. Poucos estão preparados para encaixar uma boa crítica sem um sorriso falso ou a piadinha mestra. O gajo-sincero não presta. Porque é directo. Estraga a magia da descoberta. É preferível sermos enganados. Gostamos e estamos habituados.

O gajo-sincero dá-se bem com o gajo-directo. São ambos forretas. No tempo, claro. Para quê perder preciosos segundos com banalidades? Mais vale largar logo a bomba. Assim aprecia-se os efeitos de choque e resolve-se o assunto. A bem ou a mal.

O gajo-sincero também é perigoso. Uma mente destreinada pode, num deslize, pedir uma opinião à espera do elogio. Quase nunca resulta. A não ser que seja um dos raros gajos-sinceros-e-educados deste mundo. Aí sim, funciona.

Primo afastado destes mas igualmente cruel é o gajo-directo-mal-educado. Pede, ordenando, convencido que está a fazer um favor ou pior, um frete. É ríspido e, frequentemente, sexualmente disfuncional. O umbigo é o seu melhor amigo. Conjuga os verbos na sua mais básica forma – “tira”; “põe”; “faz”. “Por favor” conta-se em poucos dedos e acredita mesmo que é desnecessário. Com treino suficiente subirá um degrau para tornar-se a verdadeira besta.

Conheço muitos mas, para ser sincero, não gosto de nenhum. E, por favor, evitem educar mais.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s